O acesso a financiamento é diferente para homens e mulheres?

Sim, e isso acontece não apenas no universo das OSCs, mas em todas as esferas da sociedade. Mas por que é assim e o que podemos fazer a respeito?

As mulheres e o financiamento das ações sociais

Não apenas na pandemia, mas em situações de crise em geral, as mulheres têm sido exemplo de ativação de redes, de recursos e de iniciativas que surgem para apoiar umas às outras e às populações mais vulneráveis.

De acordo com o Relatório Tempo de Cuidar, da Oxfam, as mulheres respondem por mais de 75% de todo trabalho de cuidado não remunerado do mundo, seja como cuidadoras de crianças, idosos ou cuidando da casa. Também como decorrência da sobrecarga do trabalho doméstico, 42% das mulheres do mundo em idade ativa estavam fora do mercado antes do início da pandemia (entre os homens a fatia era de 6%). Em 2020 no Brasil, o percentual de mulheres fora do mercado de trabalho ficou acima de 50%. Além do impacto econômico, as mulheres foram também as principais afetadas em termos de saúde emocional e aumento dos índices de violência doméstica.

Se por um lado as mulheres são as mais impactadas pelas estruturas e momentos de crise, também por isso, as mulheres assumem o protagonismo em diversas iniciativas sociais históricas e aparecem cada vez mais como símbolos de protesto, resistência e organicidade para superar suas condições concretas.

Quando observamos a sociedade civil organizada e a liderança das OSCs brasileiras, as mulheres são maioria e representam 65% das pessoas empregadas. Seria de se esperar então que as organizações lideradas por mulheres, ou que atuam na temática dos direitos e protagonismo das mulheres, tivessem mais acesso a recursos financeiros para subsidiar suas iniciativas de impacto social. Mas não é isso o que acontece.

De acordo com estudos da organização norte-americana AWID (Associação pelos Direitos da Mulher no Desenvolvimento, em português), o atual cenário de financiamento está longe de ser equitativo em termos de gênero e também não é adequado para responder às necessidades e demandas dos movimentos para avançar direitos e justiça. Quando observadas organizações que atuam diretamente com os direitos das mulheres, por exemplo, percebe-se que elas são sub financiadas e muitas operam com menos de R$40 mil reais por ano, sendo esse orçamento instável e pouco flexível.

Mas por que isso acontece?

No contexto global, os mecanismos e fontes de financiamento do desenvolvimento e filantropia estão se tornando cada vez mais diversificados. Somado a isso, a pauta da equidade de gênero ganhou espaço e mulheres são reconhecidas como agentes-chave do desenvolvimento como nunca antes. Na última década, as organizações de direitos das mulheres estão descobrindo que, seja a discussão da representatividade política ou dos espaços de financiamento, existe a necessidade de ir além da ampliação do debate sobre a perspectiva de gênero e passar para ações de informação e influência para garantir a plena participação de mulheres e meninas na redução das desigualdades e promoção do desenvolvimento.

Por outro lado, ainda vivemos em uma sociedade em que o crescimento econômico e o retorno sobre o investimento são a prioridade. E essa estrutura é pautada em uma lógica (o patriarcado) que classifica homens e mulheres em situações de poder diferentes, dando mais poder aos homens. Nesse sentido, por mais que estejamos evoluindo nos movimentos sociais e que exista de fato um crescimento e diversificação dos atores envolvidos na filantropia, a tomada de decisões e os espaços de poder ainda são ocupados majoritariamente por homens. Esses homens, mesmo aqueles bem-intencionados, podem perpetuar a desigualdade de gênero de maneira inconsciente.

Diversas pesquisas têm sido realizadas para identificar esses vieses inconscientes no comportamento de investidores. De acordo com um estudo realizado nos Estados Unidos (analisado pelo British Council), as perguntas dos investidores utilizam perspectivas que prejudicam as mulheres.

Quando os investidores entrevistaram homens, fizeram “perguntas de promoção” (sobre expectativas e realizações) 67% do tempo, mas quando questionaram as empreendedoras mulheres, fizeram “perguntas de prevenção” (sobre segurança e responsabilidade) 66% do tempo. As empresas às quais foram feitas perguntas de promoção levantaram em média 7 vezes mais recursos do que aquelas empresas às quais foram feitas principalmente perguntas de promoção. Da mesma forma, em um estudo realizado no setor do capital de risco, os investidores preferiram os pitches feitos por fundadores do sexo masculino, mesmo quando o conteúdo do pitch era exatamente idêntico.

Trata-se de um contexto complexo principalmente porque os vieses são quase automáticos e fazem parte de uma estrutura que afeta homens e mulheres, mesmo que de maneiras diferentes. Ou seja, as mulheres também tendem a achar inconscientemente que os homens respondem melhor às demandas dos financiadores e muitas vezes reproduzem esses comportamentos quando estão sentadas na cadeira de investidoras.

O que podemos fazer a respeito?

A boa notícia é que financiadores e organizações sociais estão começando a perceber essas questões e a tentar mudar o cenário. O GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas), lançou em 2020 o Guia: O que o Investimento Social Privado pode fazer pelas mulheres? Este guia contém uma série de orientações para financiadores ampliarem a perspectiva de gênero em sua lógica de atuação. Têm sido também propostas uma série de discussões e abordagens.

Do ponto de vista das OSCs, além de identificar e construir relações de ganha-ganha com investidores e demonstrar objetivamente o impacto positivo das ações que serão realizadas, algumas abordagens podem ajudar na interlocução com financiadores e financiadoras de modo a diminuir as brechas de gênero:

– Identificar dentre possíveis fontes de financiamento aquelas que já possuem uma abordagem que adota a perspectiva de gênero e priorizá-las

– Compreender os possíveis vieses inconscientes e, ao identificá-los, falar sobre eles de maneira clara e transparente, de modo que possa servir como aprendizado mútuo

– Construir redes e parcerias entre organizações lideradas por mulheres e dialogar sobre a temática

– Reconhecer a interseccionalidade das questões de gênero com outras questões de diversidade e incluí-las nessa abordagem

Essa é uma pauta importante para homens e mulheres, e conseguiremos evoluir de maneira muito mais rápida e eficiente se tivermos mais homens atuando como aliados. Então fica também o convite para que mais homens façam parte deste movimento e se reconheçam também como parte da solução.

* Este texto foi originalmente publicado no Portal do Impacto.